domingo, 15 de abril de 2012

A tempestade (II)

Redenção
O fundo se esquivaria em cores lívidas e de lá se poderia ouvir um bolero setentista que fizesse recomeçar tudo outra vez através das falas comuns, daqueles olhares angustiados trocados antes que escurecesse e dissesses até logo, o mundo vai desabar e aqui nem existe mais.
Prometeria pincelar com cores vivas os becos por onde desapareceste e pintaria sorrisos e flashes que a trouxessem impressa em cada parede sombreada de sóis recentes sem mundos que te enlaçassem pela cintura, pois nossa dança seria um duo chiaroscuro rodopiando sem pressa trazendo-a para o olho do furacão caleidoscópico que abriríamos a cada regozijo expresso pela tempestade dos nossos corpos.     

Foto: Piotr Kowalik
(http://www.piotrkowalik.co.uk/)

..e por favor, ouçam esta canção
"Trovoa" de Maurício Pereira


3 comentários:

lidia-la escriba-www.deloquenosehabla.blogspot.com disse...

PRECIOSO!!!, me hizo recordar, a esa obra del gran bardo ingles...que nadie sabe quien fue, ni si era real, su name!
muchas gracias,por el talento
lidia-la escriba



blog actualizado

Anônimo disse...

Nossaaaa!
Que coisa linda, já estou querendo ler a TEMPESTADE III.
A foto e a música caiu muito bem com seu texto.
Parabéns poeta!
Vc. escreve muito.

Si, Fosse Algo seria o Nada disse...

Eu sei
Quer dizer
Eu acho que sei...


Bjsss

Linda semana procê!!!

Twittando

    follow me on Twitter