domingo, 23 de setembro de 2012



Atalaia
(ou, para não dizer que não falei de Aracaju)

Há entre o azul e o outro tom que ondula mais abaixo um muro e só
Um muro erguido de água, sal e visão
Um salto de olhar que longe vê ilusões de mar alto
Sobressalto anoitecendo luas
Clareando olhares admirados de mar entre as cores que abismam paredões
No olhar requebros escorrem pelo canto da boca entre uma e outra loira
São morenas, brancas, pretas em desfile e desvario de banhos, moças roliças suando sabores de gestos multicores entre o azul e o outro som dos pássaros que espiam e tudo o que há é olhar e solidão contra o fundo de areia que pisas no mesmo instante em que brumas róseas te surpreendem desenhando verões
E dentro do outro tom de ondas caleidoscópicas guardam-se peixes, baleias e sereias de eras pretendidas pelo tato de quem se perde feliz num tempo de imensidão aquista às vistas de quem se enovela à tarde erguida de água e olhar
De tanto olhar torno-me elemento na tela
Na tela de tanto mar.

3 comentários:

lidialaescriba disse...

precioso trabajo! me encantó!
quiero dejarte la direccion de mi nuevo blog,
www.nuncajamashablamos.blogspot.com


precisamente...no existe mas!
un abrazo
lidia-la escriba

Glória disse...

Olá Sérgio,

Débora é um afeto descoberto entre ruídos, entre dissonâncias. Criamos uma linha sutil de sintonia.

Bom passar por aqui e me mover entre vagas de poemas:

'quem se perde feliz num tempo de imensidão aquista às vistas de quem se enovela à tarde erguida de água e olhar",

muito belo!

Vanuza Pantaleão disse...

"No olhar requebros escorrem pelos cantos da boca..."
Oi, amigo!
Que prazer fantástico ler você. Sim, porque você é o que se lê...
Bom fim de semana, Serginho!Bjsss

Twittando

    follow me on Twitter