domingo, 23 de agosto de 2009

O PARAÍSO DE OZIRES

(o paraíso de paredes pichadas amanheceu destroçado)
Em alguns dias e, se bem me recordo, naqueles mais tristes, quase descoloridos, nos quais a imaginação encontra tintas frescas e faz das suas recolorindo paredes e paisagens, agarrava-se a uma frase suspensa e pedia a deus que tudo recomeçasse dando passagem aos desencantos e aos santos de plantão. Não acreditava em deus, mas o imaginava sempre por perto, embora lá fora, caminhando de um lado para o outro, Xangô vigilante. Preferia-o mais próximo e por isso não acreditava nele, já que nunca ao alcance do toque ou das narinas. Quando alguém batia à sua porta, esquecia-se da frase que voava pelo quarto e corria para abrir; olhava o pouco que via, imaginando expressões e, por vezes, ofendia-se; voltava ensimesmado para o fundo do quarto e perguntava se por um acaso não se transformara numa ilusão, num trecho mal escrito de um livro ainda mais medíocre. Dizia que não, que ele estava ali, embora o fundo do quarto lançado numa meia-luz trôpega o deixasse um pouco mais velho e amarelecido, como numa foto antiga, e se não fossem os movimentos lentos a procura da frase solta pelo ar, até que seria mesmo algum enfermo no paraíso recolhido dentro da casa enorme. Sim, porque lá fora, no resto da casa, os cômodos todos pilhavam a si mesmos, as paredes - que sempre tiveram ouvidos – estabeleciam a lei do disse me disse e todos que chegavam eram pegos de surpresa, acossados pelas estórias mais estapafúrdias que portas e janelas pudessem conter e contar. Nessas horas você dizia que por isso deus nunca entrava e porque não entrava não acreditava nele. Na verdade você não gostava dele e gostar ou desgostar implicava diretamente no fato de acreditar; não acreditava, também, em muita gente de carne e osso. Você me convidava à sua meia-luz onde sempre havia um café, um play dos novos baianos ou da Ângela Rô Rô, às vezes, um poema novo que você escrevia em qualquer lugar, gostava daqueles que surgiam como pichações nas paredes úmidas do seu paraíso escuro; lê-los era um desafio porque se misturavam uns aos outros na medida em que você os escrevia sem critério algum, a não ser o de se agarrar à frase que flutuava desatenta buscando o tantinho de janela aberta para então mergulhar lá fora. Não sei se é fato ou imaginação, mas quero lembrar-me de vê-lo feito uma seta voando atrás da frase fugidia, apanhando-a a centímetros da fresta e em seguida arremessando-a, com a tinta mais à mão, contra a parede. Quero lembrá-lo antropofágico gritando sandices em meio aos convites para o almoço que você mesmo prepararia.
Em outros dias mais felizes, deixava-se embriagar da luz que o invadia e não escrevia nada, e não que as frases não voassem mais pelo paraíso, mas porque não tinha forças. Tanta felicidade lhe doía todo e o fazia aparvalhado em meio à fumaça dos muitos cigarros que acendia um no outro. Nestes dias claros sentia-se vampirizado, longe de seu esquife, exposto às gargalhadas que lhe sorriam os parentes. Só nesses dias vinham vê-lo. Vinham vê-lo como se olha um espécime enjaulado. No paraíso, a luz se confundia com a fumaça e de vez quando saltava do fundo com seus olhos de lêmure esbugalhados, ação que fazia tios, irmãos e sobrinhos correrem pelo corredor que mais cedo ou mais tarde daria lá fora, junto a deus e sua vigilância sem princípios. Ele e deus eram assim meio irmãos separados pela fresta do universo que sempre os trazia para dentro da mesma festa, da mesma canção, mas que também os obrigava a fechar um olho e olhar um para o outro como quem olha pelo buraco da fechadura. Às vezes, me olhava assim também, e então eu não sabia se ele me confundia com deus ou se eu o confundia com os poemas pichados nas paredes que agora desabavam em campina aberta e me faziam ajoelhar para beijar tua fronte na lápide onde não tem nada escrito mais bem poderia deixar ler alguma coisa escrita por você há tanto tempo que nem sei quando, mas sei mais ou menos algo como que namorenando sereias helenas embriagado com lindas baianas em tons gerados azuis e vermelhos esferográficos e novamente o paraíso enevoado com nossos sorrisos de amizade surgindo como que num flash ou num passe de mágica.

(para Ozires, um ano além daqui)

11 comentários:

Dino Daia disse...

Adorei Serginho !!!
Retratou bem o nosso amigo , triste vida sem sentido mas muito amigo !!!

VeraBasile disse...

Uma trama linda Sérgio! Suas palavras são de pura emoção e ao mesmo tempo uma construção perfeita de ritmo e encanto!
Lindo!
Bjs

elvira carvalho disse...

Já li o texto Sérgio. Não comento porque quero reler com mais tempo.
Tem imagens muito bonitas como esta:
"Ele e deus eram assim meio irmãos separados pela fresta do universo que sempre os trazia para dentro da mesma festa, da mesma canção, mas que também os obrigava a fechar um olho e olhar um para o outro como quem olha pelo buraco da fechadura."
Um abraço e tudo de bom

f@ disse...

Olá Sérgio,

O mágico das pa l a v r a s…

Oração ou homenagem… reflectida sem medida nos sentimentos…

… não sei se soube ler…
perceber o ©éu onde as asas dos pássaros sonham com nuvens brancas… a tocar a espuma das ondas...

… mto….
...
Sempre o b elo

!nfinito beijinho

Nilza disse...

Sérginho...que mundo encantado vc criou (e recriou) para homenagear o nosso querido Osires! Pude rever aquele olhar terno e, ao mesmo tempo, atormentado pela ânsia de saber mais...

Bjs da Nil!

VANUZA PANTALEÃO disse...

Sem ter conhecido Ozires, mesmo assim, creio que tuas frases poéticas voaram até ele, atravessaram os sons dos baianos e da Rô, Rô, tempo-espaço, o que são? Atravessaram...
O que foi que eu fiz, Serginho? "Incendiária", eu? Só botei um pouquinho de pimenta naquele acarajé, rsrsrs. Nenhuma palavra "assustadora" que ferisse a moral e os bons costumes. Apenas um sabonete e uma toalha abandonados sobre o assoalho. Sugerir, deixar entrever uma situação faz mais pela libido do que devassar, mostrar, escancarar, assim eu penso. Entretanto, nada contra quem mostra e escancara.
Fiz cursinho de vitrais e apaixonei-me, andava pintando qualquer caquinho de vidro, ando meio paradona nas tais Artes Plásticas. Aquele vitral é uma referência a uma obra antiquíssima de um pintor renascentista, meio apagado...a mãe, também no banho, à beira de um riacho, amamentando o filhinho. Algo a ver com o texto? Pode ser. Não foi proposital.Quer encomendar?Rs. "Fazemos qualquer negócia"(sangue de cristão-novo nas veias). Muito trabalho aqui em casa, pinturas, reformas, bagunça mesmo. Andei caidaça, me recuperando aos poucos.
Boa noite, amigo!!!Bjssss

f@ disse...

O olhar azul do texto


o verbo escrever!!! + mto +
...
contagiante...
sempre o belo que me faz voltar a ler...
Sérgio !nfinito beijinho

Livraria do Independente disse...

Livraria do Independente

Músicos e escritores autônomos e independentes: disponibilizem seu trabalho ao grande público consumidor!

Visitem a livraria criada especialmente para o profissional independente: livrariadoindependente.org

Artesãos também tem espaço garantido na Livraria do Independente.

Vantagens:
- disponível para todos.
- independente de editoras, gravadoras e selos.
- todos podem divulgar seu trabalho 24h por dia/7 dias por semana/365 dias por ano.
- contato direto entre seu público e você.

Aproveite o que é seu!

Estamos abertos à parcerias. Ajude-nos a divulgar este projeto.

http://livrariadoindependente.org

disse...

…avança o sonho no olhar
fogo-fátuo que inunda o céu para depois mergulhar aqui… neste mar de palavras
MAR á flor da pele o céu…

Julia Pastore disse...

Caramba, que coisa imensa. Sim, porque vejo nos comentários que há um Ozires, mas também vejo que há a Julia e há vários outros amigos e ... caramba, que texto imenso. Passei aqui porque li um comentário seu em uma postagem antiga minha, que dizia que meu texto era autobiográfico. esse texto seu me é biográfico. Assustadoramente.

Oliver Pickwick disse...

Contribuiu com mais lúmens no fluxo luminoso da estrada que conduziu o seu amigo ao paraíso da luz, ademais de transformar o Ozires num amigo do dia a dia de todos aqueles que lêem este magnífico texto.
Um abraço!

Twittando

    follow me on Twitter