terça-feira, 29 de julho de 2008

Desejo, palavra e vida


Desenhe minha palavra e use as cores da moda, use um toque indigitado e uma pergunta indiscreta.
Use trajes típicos e não demonstre arrependimento. Desenhe o que ouvir e o que acreditar ter ouvido; a diferença, embora abismal, não causará danos assim tão irreparáveis.
Passeie dentro de uma paisagem em silêncio e note que o traço perfeito buscará linhas em perspectiva, e que a fuga revelará um sorriso antes adormecido no turvo empobrecimento da escolha. Perceba quase nítido alguns homens que se levantam e caminham nus sobre um chão de explosões.
Desenhe minha palavra no escuro e deixe o tom se acostumar à presença das serpentes, estas minhas companhias de todas as horas. Verás que as formas se oferecerão mais fartas e que seus modos, mais sensuais então, permitirão o toque.
Desenho, palavra e vida, não necessariamente nesta ordem, pactuam sem a famigerada proteção divina; preferem assim que é mais um improviso do que um arranjo pronto, mais um sabor que uma expectativa incorpórea.

(Pintura digital - "Paisagem Silenciosa" - no blog http://particulasdosentido.blogspot.com/ - do meu grande amigo, Sr. do Vale)

17 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Gostei muito do que vc escreveu. Vim retribuir-lhe a visita e dizer lhe que fiz novo post, porque não consigo ficar parada. Talvez vc não tenha visto o filme.
Apareça por aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um abraço,
Renata

Sr do Vale disse...

Magnífico.
A poesia flui nas cores, em silêncio profundo.

Sérgio, você foi além da visão, passeou na paisagem e definiu-a poeticamente, o que a mim causa grande emoção e satisfação, de tê-lo como amigo, e de termos uma história que se cruza em determinados momentos das nossas vidas.

Sr do Vale disse...

É Sérgio, acredito que estás inovando...antes era a ilustração do texto, agora é o texto da ilustração.

f@ disse...

Olá Sérgio,
Sim um belíssimo passeio de pincel dos mais macios para não fazer ruído e o silêncio ser colorido de ideias...
a fuga acordará o sorriso iluminará as palavras que escreves tão claro enri que cimento do passeio...
Texto muitisssssiiiimo bonito e imagem excelente...
tb já passei lá no Sr do Vale é magnifico...
Beijinhos das nuvens

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Uma dobradinha de peso!
Palavras que evoluem em cores e formas.Havia falado lá! Aqui, silencio e penso...
Parabéns, amigos!

RESSACA disse...

Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

Nilson Barcelli disse...

Quem sabe mesmo desenhar as palavras é você, dando-lhes vida para além das cores e de outras paisagens.
Excelente prosa poética.

Abraço.

Van disse...

Nua sobre um chão de explosões. Improvisos.... Assim que eu gosto!

Beijucas

VeraBasile disse...

Oi Sérgio!
Decididamente, esse poema é um dos mais lindos q vc já escreveu. Talvez pq misture minhas duas paixões: arte e poesia.
Adorei a imagem Paisagem Silenciosa, caiu como uma luva para o poema.
Parabéns aos dois!!
bjs

Maria disse...

Ahhhhh...desenhar palavras... acordar numa paisagem, onde o silêncio pode aquarelar linhas adormecidas...e os sentidos são sentidos...Caro Sérgio.
Beijo

Paula Crespo disse...

O modo imperativo dos seus verbos no início dos versos dá-lhes um ritmo próprio; têm movimento. Aliás, já lhe tinha dito isto antes... :)
Bjs

Inutilidade Feminina disse...

O novo... mesmo q nao seja tao novo para os outros, mas para vc mesmo, impressiona, choca e transforma... talvez esse seja um dos sentidos da vida! =)

tava sentindo falta do seu cantinho... desculpa a ausencia!

Fabrício Brandão disse...

E ficamos muito bem servidos dessa companhia intensa das palavras. A poesia navega ávida essas intensidades nossas.

Abraços, meu caro!

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Estás fazendo falta na exposição dos nossos artistas, mas ainda há tempo! Bela semana...Ah, o Sr do Vale também está por lá. Como deixaria de convidá-lo?

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Fica Zen, Amigo!
Termine o seu trabalho com muita calma e sei que será um mais um ótimo post que virá por aí.Bjsss

Obrigada à Lua, Mãe Ancestral que nos ensina a Arte de Curar - Madre Del'Alma disse...

Muito interessante amigo Sérgio!

Em meu deleite nas maravilhas do Sr. do Valle, escolhi exatamente esse desenho, para discorrer e divagar minhas emoções e, qual não foi minha surpresa quando aqui aporto? Uma sintonia de arrepiar minhas células...rs Exatamente o que me apaixonou foram as linhas sinuosas, suas curvas sem limites, nos permitindo ousar em nossos sonhos...Você é fantástico ao poetizar de forma tão delicada uma obra tão encantadora...
PARABÉNS! AOS DOIS CRIADORES!
Beijinhos carregados de boas vibrações
Stellinha :)

Sr do Vale disse...

Sérginho, vai lá no Pântano Elétrico e baixa os 3 sons Hungaros...maravilha, você vai gostar, bem tranquilo.

Twittando

    follow me on Twitter