domingo, 22 de janeiro de 2012

Das muitas razões e de um adormecer

Depois volto para a mesma cena e te ajudo com o sutiã; acendo uma guimba marcada de batom e te ofereço mais uma vodka; espio o tempo pela janela baça e decido que tudo está cinza e perigoso; o chiado do pick-up diz que o disco terminou e que não haverá mais dança; você continua sentada na beira da cama mais confusa que cansada e até acha graça desse fim de mundo; o telefone chama às três da tarde e parece tarde para comprarmos flores e comida chinesa; melhor recomeçar.
Volto para o detalhe daquela cena: ajudá-la com o sutiã que não deixaste cair na hora certa; acender uma bagana melada de batom ao mesmo tempo em que tento pronunciar que tal mais uma Stolichnaya? Olhar a rua pela janela e decidir que não vou sair que prefiro esperar que decidas tirar a roupa e se oferecer lânguida e perfumada; cruzar o quarto devagar e colocar o braço do velho pick-up de volta na faixa At last e fazer fé que ouças os detalhes que só Etta sabe revelar; na revelação dançaremos nus na luz difusa das três da tarde; pedir flores e comida pelo telefone; tu se abres pouco depois. Outra vez, por favor.
A mesma cena. Tento tirar teu sutiã e você não deixa, chegamos até aqui e só me resta uma guimba no cinzeiro; nada de vodka e decido deixá-la bêbada de cachaça com mel, é só ter um pouco de paciência, cruzar o quarto e colocar o disco para tocar desde o início; imagino que sentiremos fome depois de nos amarmos e peço alguma coisa por telefone (flores também, para uma melhor impressão depois). Uma garrafa mais tarde e quase ao fim de tarde você se abre ao mesmo tempo em que adormece. Como sozinho olhando as flores (são vermelhas, brancas e amarelas, desabrochadas). Lá fora está nublado e decido não sair. Acendo a guimba marcada com o teu batom vermelho e puxo o lençol sobre o teu corpo alvo. Ouço a canção mais uma vez.

A música ao fundo...

 
(Post dedicado à Etta James)

8 comentários:

Si, Fosse Algo seria o Nada disse...

Wonderful!


Kisses

vania disse...

adórei com essa musica de fundo vc arrasou e com dizeres taõ profundo mas uma vez parábens bjs amigo

Quasímodo disse...

Bonito escrito, Sérgio. E justa homenagem.

Abraço.

SONINHA disse...

Parabéns, amigo!!!
De grande sensibilidade e beleza!
Boa semana! Beijocas!
Aguardo a sua visita!

lidia-la escriba-www.deloquenosehabla.blogspot.com disse...

mueren los artistas,bellisimo!!!gracias
lidia-la escriba




blog actualizado elmío,te invito

Analuka disse...

Texto forte e quase embriangante, bem embalado pela voz de Etta!... Calor e sensualidade que se afinam a esta tarde quente de verão, em que ouço cigarras cantando no quintal de casa, enquanto a brisa entra pelas janelas, balançando as cortinas cor de caramelo ou mel... Abraços alados, amigo!

elvira carvalho disse...

Não sei porquê o texto me lembrou o bolero de Ravel. Devo dizer que o li 2 vezes em silêncio e só depois ouvi a musica.
Um abraço e bom Domingo

CONCEIÇÃO DUARTE disse...

Seu texto é trabalhado, sentido, interessante.

Twittando

    follow me on Twitter