domingo, 18 de abril de 2010

Promessa

Juro que tu serias minha vida, déjà vu perpetuado por todos os meus poros e instantes e meu instante absoluto, cósmico, um instante diabólico tatuado no plexo, um instante divino em você e na criação, nos cuidados com as plantas, durante minhas expedições lunares ou minhas audições malucas de Creedence Clearwater Revival e mesmo que o desatino do fim da vida me levasse ao espelho e fosse um estranho que me olhasse, mesmo assim este estranho perguntaria de ti, e de ti falaria a noite toda, contaria nossas estórias, lembraria nossas andanças por ruas e becos e matas, nossos pés tão ágeis transpondo o limo das pedras e depois acarinhando um ao outro, e mesmo que de mim já não fizesse a mínima idéia, de ti lembraria todos os detalhes. Hoje e por tantas outras vidas, lembrar de ti não seria nenhuma ave sem rumo, mas uma revoada migrando para teus confins e teus confins estariam certamente brilhando no espelho quando eu me olhasse procurando por ti.

7 comentários:

VANUZA PANTALEÃO disse...

"...lembrar de ti não seria nenhuma ave sem rumo..."
Puxa, amigo!
Como gosto de ficar aqui viajando nessa nave espacial comandada pelo super astronauta Sérgio Rocha.
Trama tão bacana
Não me engana
E ainda rima
Com Copacabana...

Um gostosérrimo final de semana aí!!!Bjsss

Anônimo disse...

Serginho!!!
Que maravilha de texto, amigo! Por instantes até cheguei a acreditar que era escrito para mim, ou por mim, tal as semelhança e intensidade do sentimento e da razão, embora louca, desse amor que persegue os infinito e totalidade, como o meu... em toda minha vida!
Obrigada por continuar fantástico.
bjussss
Elivan Ribeiro

Jacinta Dantas disse...

Oi Sergio,
bom vir aqui agora e escutar sua promessa e nela fazer minha leitura. E na minha leitura, sentir um desejo de se reconhecer em outras vidas, ou em outras formas de vidas que tem parte de mim e das quais faço parte. Sei lá, rapaz! o que sei mesmo é que por entre as linhas e entrelinhas, viajei pelos ares sem vontade de aterrisar.
Grande abraço

Quando quiser, dê uma passadinha lá no meu florescer.

Vera Basile disse...

Maravilhoso e delicioso te ler!
Bjs

sandra zaim disse...

ah serginho....vc arrasou dessa vez...que lindo cara ! me emocionei !
beijão

sandra zaim disse...

como disse o Elivan, parece que foi escrito pra mim...por mim não, pq não tenho afinidade com as palavras...rsrs
grande beijo e ótima semana

Analuka disse...

AGradeço o convite para viajar aqui em tua escrita poética, meu caro. Letras que pulsam e pululam, que matizam e mancham, que vibram e se volatizam... Mas, o texto me faz pensar na questão da memória, e de certos afetos que marcam a memória da pele da alma! Existem emoções e afeições que, mesmo quando findas, permanecem, ou seja, são infindas e se eternizam na mágica ou mistério da lembrança... Abraços alados!

Twittando

    follow me on Twitter