sábado, 16 de agosto de 2008

Post especial

 
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
A noite que ele não veio
Foi de tristeza prá mim
[...]
O marinheiro bonito
Sereia do mar levou
[...]
É doce morrer...

4 comentários:

f@ disse...

É Doce o poema e a música também…
Brancura de espuma na crista da onda …
agridoce… o mar
beijinhos das nuvens

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Dorival era um PAI para todos os brasileiros e uma PAI manso, carinhoso...A ponto de ter criado para Nana, ainda bebê, uma cantiga de ninar das mais melodiosas do mundo. Alguém já viu uma foto sequer dele, bravo? Nunca. Dorival não morreu, nem no mar, nem na terra, pois era "UM BUDA", um "BUDA NAGÔ" como cantava Gil. Guardo comigo muitas memórias doces do Mestre, mas iria tomar muito tempo. Mas, se puder, um dia, as contarei. Por ora, meu amigo Sérgio, só quero lhe parabenizar por essa Homenagem a Ele que, vinda de você, se torna luminosa e muito especial.
Semana sempre Inspirada...

Boca no Trombone disse...

Simplesmente muito bonito.

Parabéns,

Oliver Pickwick disse...

As parias excederam-se em água, na verdade, lágrimas. Especialmente as da Bahia.
Singela homenagem, caro amigo.
Um abraço!

Twittando

    follow me on Twitter